Páginas

sábado, 28 de maio de 2011

Prelúdio do olhar avesso

O seu olhar, um olhar de luxúria, que passeava pelo corpo exposto, mesmo com aquelas roupas, mas que não tardariam a cair no chão. As curvas e saliências da modelo, cujas vestes levemente apertadas, só deixaram a situação um pouco mais insuportável. Vontade de rasgá-las sem preliminares, subjugar aquele corpo e satisfazer o quanto antes a vontade de ambos. Para controlar a vontade, um aperitivo, o som do tapa ricocheteou nas paredes... o olhar demonstrava que era momento...
Tira o membro da calça e o coloca em frente a volúpia de ambos, de joelhos, o olhar no seu, a sensação da língua passeando vagarosamente, parecia que era de propósito ser tão devagar, para atiçar mais... o olhar virá gelo, e ela entende o sinal para colocar tudo na boca... buraco pequeno, pau engrossado, nada que uns puxões de cabelo controlando o ritmo não resolvam... até o fundo, as sensações da língua e das paredes da boca, tão quente, tão macio, o ritmo do corpo, as mãos em suas bolas, e a vista da subjugada a seus pés, era demais para agüentar...
Em um instante muda a cena, uma voz vinda mais da adoração de comandar do que da capacidade de falar, faz o ser de joelhos tirar todas as roupas e se colocar a sua frente na cama, ela encara o seu rosto sério, com um misto de medo e desejo, e vê em seu olhar o fogo e a malícia... Ela estende a mão para passar por seu corpo, as unhas roçando a pele, e o puxa para um beijo de línguas ferozes... Você sente a pele macia, a suavidade dos seios expostos, coloca a mão na concavidade entre as pernas e sente o quanto ela também lhe quer... um tapa bem dado nas nádegas para demonstrar quem ainda está no controle...
A pega pelos cabelos e leva a boca novamente ao seu pau, latejando de desejo... de quatro na cama, chupando o seu membro do corpo em pé, você tem a visão privilegiada da curva das costas da bunda convidativa, enquanto o seu membro bate na curva da garganta...
A pega pelos cabelos novamente, leva a boca a sua, o olhar para atiçar as fogueiras, e é hora de parar de ser bonzinho, pois a noite só está começando...