Páginas

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Conto inacabado de um Natal morto

O Arcano XIII do Tarot de Thoth

Enquanto o barman servia mais três doses de uma garrafa comprada de um whisky duvidoso (Jack Daniel's normalmente não tem esse gosto, mas a garrafa estava lacrada...), inicia o monólogo como que para uma platéia.

- Acompanha o meu raciocínio. Sabe porquê este inferno de lugar vive cheio? A gente procura o não-nascer. A buceta é o caminho para aquilo que não devia ter acontecido. Todos querem voltar pro útero, onde não pensavam, não tinham que votar em político corrupto e menos se importar com a porra da família. Olhe para este lugar, pura decadência. Só ficaram as renegadas. Ora, puta não tem família? O que elas fazem aqui na ceia de Natal? Sim, irão ganhar perus sujos e fedidos. Restos de homens decrépitos que não tem outro lugar para estar nesta noite de morte. Natal não é nascimento, é a morte embrulhada com uma fita vermelha. E não podemos esquecer os caminhões da Coca-Cola. Até o Fernando Pessoa é a puta da Coca-Cola. Sempre somos a puta de alguém. Você é a minha puta agora. Escutando calado a minha indignação. Estou fodendo a sua orelha peluda com a minha língua áspera. E quer saber, nem eu sei o motivo da minha indignação. É apenas o vazio que perturba. Mas, se fosse algo cheio, também me importunaria. Talvez seja realmente a da minha consciência. Mas, acompanha o meu raciocínio. Não teria do que reclamar. Tenho a merda de uma cobertura num dos prédios mais caros da cidade, viajo para onde quero e quando quero a todo momento. Tenho tanto dinheiro que poderia comprar agora este lugar no débito ou crédito em qualquer um dos cartões que tenho na minha carteira. Quer ele de presente de Natal? É isto eu preciso pagar para minha puta da noite? Não vou te dar bosta alguma de presente. Nem se você tivesse o melhor boquete abaixo da linha do Equador. Sempre que falo em linha do Equador, lembro daquele episódio dos Simpons falando da força de Coriolis, aquele em que água da patente gira em direções diferentes. Sabe? Você não deve ter tido infância para assistir isto. Mas, é pura mentira. A água da privada gira em qualquer direção. Bullshit! Sabe, acho que o meu problema é que não gosto de pessoas. Todo mundo me dá asco em alguns meses. E olha que eu posso ser bem seletivo nas minhas escolhas. Engraçado, fazem alguns anos que passo o Natal aqui, alias, é o único dia que venho para esta pocilga. Nunca trepei com uma puta daqui. Sempre o mesmo ritual, uma garrafa, um copo limpo e o silêncio. Vejo todo ano as mesmas figuras. Aquela ali sentada de perna cruzada já foi bem mais gostosinha. No segundo ano que vim aqui, até pensei em passar os bagos nela. Não passou de um pensamento, uma paudurecência que mal passou de uma punheta. Olha, já que hoje foi um dia diferente, consegui conversar com alguém, desce uma garrafa do champagne mais caro daqui para cada pessoa que está conosco. Quatro putas. E uma pra você. Vou no banheiro e já volto. Mas, quando voltar, quero todos sorrindo, entendido? Quero te contar algo grande que aconteceu. Dois minutos e já volto.

O barman reúne as putas, conta da sorte delas em ganhar uma garrafa do champagne mais caro da casa, que dava mais ou menos umas três semanas de serviço da melhor puta do recinto. Que era para oferecer sorrisos e todos os agrados possíveis para o moço. Foi enfático em afirmar que pelo menos duas chupassem ele ali mesmo, e que outra fosse fazer uma massagem nos pés dele. afinal ele era o dono da casa hoje. Todas ficaram eufóricas com a sorte do Natal.

Porém, para infortúnio das rameiras e do barman, o homem escorrega e bate com a cabeça na pia. Não tem tempo nem de um último gemido de prazer. Algum tempo depois, três delas, como as Moiras, reprensentaram todo o contínuo da vida dele entre o nascimento e a morte. A puta restante desejou Feliz Natal ao barman com um beijo com gosto de L.A. Cereja.


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

As vadias são as outras

Não bastasse as quatro paredes
Ainda lhe faltava um teto
Para cobrir mentiras translúcidas
Com cheiro de Chanel n° 5

Oferecer o peito não é boa metáfora de acolhimento
Quiça, sinônimo de proximidade
Sim, tua arte é fraca
Teus versos nem profundidade têm

Quando a própria mãe adianta
"Olha, esta daqui não presta..."
Não se deve esperar menos
Do que aquilo que é jogado aos pássaros

Não valeu o tratamento de dama
Tão pouco, o de piranha rampeira
Algumas não merecem nem o suor derramado
Muito menos, o romper do gozo

Porém, fica a lição
Como os corações na beira d'água
Três ou quatro ondas, não resta mais nada
O que mar traz fácil e deixa na areia
Logo vem a chuva e carrega embora

Não gosto e talvez não venha mudar de ideia sobre o Bukowski
Mas, ele foi muito rico em oferecer uma frase pra ti
"They thought I had guts but they had it all wrong. I was only frightened of more important things."
Trágico ou cômico, ainda te restou um texto...

Boneca Quase-Assassina