Páginas

domingo, 15 de outubro de 2006

Velho Amor


De repente eu olhei para os lados e não te vi mais
Te procurei, mas você não queria me encontrar
Talvez nem mesmo você queira se encontrar

Agora não somos mais uno
Não passamos de meros estranhos
Que não têm mais o mesmo caminho

Bifurcações, secções, pequenos abalos num caminho tão longo
Fazem diferenças que não podem ser consertadas
Agora são rumos diferentes
Que talvez nem se cruzem mais

Não existem caminhos retos
Sempre existirão pedras, tropeços e lágrimas
Mas novamente tenho uma antiga companheira
A solidão

Que apesar de fria, turva e desprovida de afeto
Não consegue por meios próprios me abandonar

Nisto talvez tu te assemelhas a ela
Me abandonaste não por tua vontade
E sim pela vontade dos outros

Triste dor que aflora do meu peito
Que nada pode curar
Dor de amor é dor sem cor
Cheiro ou gosto de prazer

Adeus meu mais novo velho amor

15/10/06

2 comentários:

washington disse...

super intessante.
seu blog é d+.

Juliana Szabluk disse...

super intessante.
seu blog é d+.