Páginas

domingo, 30 de novembro de 2008

Binários e quaternários


Estava eu sentado, um pouco entediado de observar as pessoas dançarem, principalmente as arritmias e síncopas em que seus corpos executavam de maneira tão peculiar, que talvez fosse impossível descrever seus movimentos mesmo com as equações mais avançadas de cinética. Como é difícil para algumas pessoas sentir a pulsação da música, talvez eles mal saibam distinguir o som do silêncio...
Fitei ela com olhos brandos, um contato simples. Mas ela, com aquela saia rodada, cortava o salão. Nunca tivemos chance ou criamos tal, porém sempre houve uma latência de ambos.
Se aproximou, descruzou minhas pernas e sentou no meu colo. Foi o estímulo correto para libertar aquilo que não queria ouvir e muito menos anunciar. Com um beijo quente e úmido na minha face, ela sussura palavras, que meus sedentos ouvidos trituram e cospem diretamente na minha libido.

- Sei que você me quer...

Aquele bicho, de múltiplas cabeças sai com toda fúria e preenche minha face. Sou transfigurado pela volúpia. Meus olhos agora consomem ela qual fogo num pasto seco. Ela enrubesce.

- Não me olhe com esta cara. Assim vou ter que te beijar...

- Qual o problema nisto?

- Problema algum, mas hoje tenho que respeitar alguém presente...

Desafio ainda mais seus sentidos abraçando a sua cintura e deslizando minha mão levemente no seu dorso. Ela fecha os olhos e o meu golpe está preparado. Puxo ela mais firme ao meu encontro, umedeço meus lábios com um rápido toque da minha língua, qual uma víbora que mostra as presas a seu jantar. Mas com pronto movimento, ela protela o meu prazer. Passa sua língua macia na minha orelha e rompe o silêncio da maneira que eu não pretendia.

- Hoje não, mas a espera será bem recompensada.

Meu sexo explodia, entumecido por todo o desejo daquele momento. Ainda a encaro fervorosamente, meu membro pulsa no contato com a sua bunda, quando ela me rouba um beijo de canto e foge sorrateiramente.
Ela continuava a dançar, a sua saia a rodar e aquelas marchinhas que ninguém esquece...

30/11/08

Nenhum comentário: